terça-feira, 10 de outubro de 2017

Mariana viajou, e Graziela se casou




                              

Rodolfo namorou com Graziela desde a adolescência. Com o passar do tempo, Rodolfo que sempre fora um doce de pessoa, se transformou em um rapaz ciumento e obsessivo, que não suportava a inteligência e a beleza de Graziela, que era uma menina que chamava atenção por onde passasse. Ele se julgava menor perto dela e apesar de amá-la perdidamente, sentia-se confuso e acuado perto dela.
Luiz e Mariana namoravam a oito anos. No quarto ano de namoro eles decidiram morar juntos, a vida era perfeita, eles realmente se amavam, eles realmente se respeitavam e viviam bem.
Chegou um dia que a Graziela não aguentou mais as crises de ciúme de Rodolfo, e decidiu terminar o relacionamento. Rodolfo não aceitou e chegou até a bater em Graziela. Foi uma briga enorme, que mobilizou os vizinhos e até a polícia. Rodolfo acabou preso naquela noite, e depois de dormir na cadeia, logo cedo, pagou a fiança e foi liberado.
Mariana era bióloga e recebeu uma oferta de emprego irrecusável no Canadá, pois além de independência financeira, ainda poderia fazer o que mais gostava na vida, só que Luiz era promotor, e tinha uma carreira brilhante pela frente.
Graziela começou a namorar com Ricardo seis meses depois da separação com Rodolfo, dois anos se passaram, mas quando Rodolfo soube que sua ex-namorada iria se casar, passou a ameaçar os dois. Ligava pra ela todos os dias, mandava cartas, e-mails e mensagens através do Facebook, dizendo que não aceitava esse casamento. Rodolfo fazia da vida de Graziela um verdadeiro inferno.
 Mariana e Luiz estavam num beco sem saída, ela tinha a maior proposta que um biólogo poderia ter, e ele tinha uma vida pela frente num ramo em que havia lutado muito para conseguir. Essa situação começou a martelar na cabeça deles, até que no calor de uma discussão, Luiz pediu para Mariana ir pro Canadá sem ele.
Rodolfo resolveu que não iria abrir mão de Graziela e não a deixaria se casar com Ricardo, o casamento estava marcado pro próximo sábado as 20 horas.
Sábado, as 20 horas, sairia o vôo que levaria Mariana ao Canadá. Numa última conversa, ela deixou claro para Luiz que se ele aceitasse, ela abandonaria o convite de emprego e ficaria no Brasil, mas Luiz não achou justo atrapalhar o sonho de Mariana, mesmo amando-a como a amava. 
Rodolfo foi até uma favela e comprou um revólver.
Mariana se despediu de Luiz e foi de taxi para o aeroporto.
Graziela estava se preparando para ir pra igreja.
Rodolfo bebeu a tarde inteira pra tomar coragem de executar sua vontade.
Quinze para as oito, Luiz se arrependeu, correu até a garagem e saiu em disparada com seu carro para tentar impedir Mariana de viajar.
Quinze para as oito, Rodolfo tomou coragem, pegou a arma, carregou-a, e partiu com seu carro pra matar Graziela e Ricardo na porta da igreja.
Luiz estava a 120 por hora na marginal, ultrapassando todos os carros, desviando dos motoqueiros e dos caminhões, enquanto Rodolfo vinha em sentido contrario, ziguezagueando e correndo o máximo que seu carro podia dar, os dois, cada um movido por um tipo de sentimento, vinham fazendo loucuras no trânsito, correndo riscos, e pondo todas as vidas que passassem por eles em risco também.
Foi então que num cruzamento dois carros colidiram de frente, outros carros que vinham atrás foram batendo, batendo, batendo, e isso se transformou no maior engavetamento que aquela cidade já havia visto. Os dois motoristas morreram na hora, e pedaços de peças de carro se espalharam por quarteirões inteiros.
A polícia chegou, os bombeiros chegaram, as pessoas foram parando seus carros no engavetamento.
As oito horas em ponto de um lado do engavetamento Rodolfo olhou no relógio e pensou: “- Isso deve ser um sinal de Deus... Eu ia fazer uma cagada e ia me ferrar pro resto da vida...”
Do outro lado, Luiz sentou-se no capô do seu carro, e olhando para o caos a sua frente, franziu a testa e pensou: “- É, eu tive muitas oportunidades para não deixar Mariana viajar, mas talvez seja melhor assim.”


Re-postagem de um conto que gosto muito, pela rotatividade do blog, acho que muitos novos leitores ainda não leram. Espero que tenham gostado.







terça-feira, 3 de outubro de 2017

Aperte o play, e sinta o gosto da agua...





Gosto de sentar quieto e escutar blues. Também gosto de rock.
Gosto de ler um bom livro, assistir um bom filme, escrever contos, crônicas e livros... Gosto de desenhar.
Gosto de tudo isso, mas a vida pede outras coisas.
Nossa vida cobra coisas da gente, que até fazemos com prazer, mas, com o prazer da obrigação!
Eu tenho prazer um cuidar da minha esposa, do meu filho, de atender meus clientes, de sair cedo, trabalhar o dia inteiro e chegar em casa à noite exausto, sem vontade de escutar blues, sentar e escutar rock, ler livro, assistir filme, desenhar ou escrever.
Respirar, as vezes a gente respira, olhar à volta, as vezes a gente olha. Sentir o gosto da agua, da comida, da bebida. Sentir o cheiro do sabonete, da flor, da manhã... As vezes a gente sente!
Mas quando a gente se pega sentindo esses sabores da vida, logo o relógio avisa que não há tempo para essas bobeiras.
O relógio avisa que a vida está cobrando desempenho, e cheiro de sabonete não ajuda em nada. Os minutos cobram resultado, e respirar não ajuda em nada.
Gosto de sentar quieto e escutar blues...
Também gosto de rock, e de respirar. Aliás, eu tenho que respirar.
Gosto de abraçar minha esposa, meu filho, minha mãe.
Gosto de abraçar minha cachorra e fazer cafuné na barriga da minha gata...
Tenho coragem de assumir, mesmo que à contragosto minha condição de ser vivente dependente da engrenagem maligna das obrigações. Às vezes me engano me achando feliz demais, e as vezes, me engano me achando triste demais.
Quando dá, sento quieto e escuto blues, respiro e sinto o gosto da agua. Mas quando não dá, vou fazendo parte da engrenagem e vivendo, afinal, também existem os prazeres da obrigação...





sábado, 23 de setembro de 2017

O macro e o micro






As coisas estão estranhas no Brasil.
As “minorias”, que são: homossexuais, lésbicas, feministas, negros, nortistas, gente oriunda de religiões diferentes etc, estão preferindo se inferiorizar para ganhar espaço na mídia como coitadinho, e ganhar alguma coisa com isso, ao invés de aceitar que gente é gente, e problemas acontecerão sendo ele do jeito que é ou não. No final, as minorias estão ditando as regras e as maiorias estão sendo obrigados a obedecer.
Um grande exemplo de gente inteligente e trabalhadora e que não ficou lutando burramente pra ser minoria, e se impôs na sociedade, cavando seu espaço, e hoje está perfeitamente dentro da engrenagem brasileira e as vezes com grande destaque, são os chineses.
Chegaram aqui recentemente, sem saber falar absolutamente nada, enfrentaram um racismo que também foi muito duro contra eles, estudaram, entenderam a sociedade e hoje em sua grande maioria são patrões.
Os árabes também: chegaram um pouco antes que os chineses, mas de uns anos pra cá, devido as várias guerras no Oriente Médio, fizeram uma nova investida no Brasil, se encaixaram perfeitamente na sociedade, e hoje, quando não são patrões, tem ótimos empregos e destaque na sociedade.
Não tem chinês e nem árabe querendo ser minoria. Não tem coreano, não tem europeu, brigando pra se apequenar e ganhar a peninha dos outros.
Me desculpem a sinceridade desse texto, mas eu sou da opinião de que nesse pais chamado Brasil, existe condição pra todo mundo que queira encarar a vida, que queira trabalhar, que queira estudar e lutar para encontrar seu espaço. A nossa sociedade tem racismo, tem homofobia, tem preconceito religioso? Claro que tem, mas em relação à grande maioria dos países do mundo, nossa sociedade é muito mais acolhedora e humana. Ultimamente quando você vê um caso de racismo, de mulher violentada, de intolerância religiosa, pode ir à fundo na notícia, que você vai ver que o infrator, geralmente é um perturbado mental, ou pessoa de moral duvidosa.
Gente... Vamos olhar para o macro e não para o micro. Vamos deixar de ser burros! Vamos imitar os chineses, coreanos, árabes e todo mundo que venceu por aqui, eles vieram de longe e olharam para o macro, entendendo nossa sociedade muito melhor que a gente e hoje fazem parte de um todo.
Pense nisso!






sexta-feira, 15 de setembro de 2017

domingo, 3 de setembro de 2017

Descartáveis S/A

                                          
                                               





Tuuu... Tuuu... Tuuu... Tuu.
- Obrigado por ligar para a Descartáveis S/A, se você precisa de uma namorada ou namorado, tecle 1. Se precisa de um amigo tecle 2, se precisa apenas de um caso de final de semana, tecle 3, se quiser receber o nosso catálogo tecle 4, ou aguarde para falar com um dos nossos atendentes.
- Alô, aqui quem fala é Ademar Pereira, em que posso lhe ajudar?
- Oi, eu queria saber como é esse negócio de descartáveis.
- Sim... Aqui a gente trabalha com todos os tipos de descartáveis. Pois nesse mundo corrido em que vivemos não dá mais pra ficar perdendo tempo com coisas fúteis e sentimentalistas.
- Legal, se eu quiser um relacionamento como é que vocês fazem?
- Nós temos agentes espalhados pelos bares e clubes da cidade, e em todos os tipos de balada. Você pode beijar quantas meninas quiser sem compromisso, como num relacionamento relâmpago, totalmente descartável. Mas se preferir, pode levar esse relacionamento por alguns dias ou semanas, e talvez até meses, depois quando enjoar, pode simplesmente largar e terminar o relacionamento.
- Mas a menina não vai ficar chateada?
- Não, porque aqui o nosso lema é: "Eu feliz e mais ninguém." Nossos clientes tem que zelar apenas pela sua satisfação pessoal, e nada mais.
- E casamento?
- Temos também. Totalmente descartáveis, até com filhos, você namora, fica noivo, casa, tem filhos e o dia em que não estiver mais feliz, parte pra uma vida nova, sem problemas.
- E os filhos?
- Descartáveis, eles arrumam outro pai descartável que lhes crie depois.
- Que legal! Aí tem amigos também?
- Temos... Amigos de infância, de escola, de faculdade, do futebol, de trabalho, todos totalmente descartáveis, depois quando você não os quiser mais como amigos, é só passar do outro lado da rua, como se não os conhecesse.
- Rapaz, mas isso aí é bom demais!
- Obrigado senhor, a sua satisfação, é o mais importante para nossa empresa.
- Então anota aí meu pedido: Eu quero, três amigos pra um ano, cinco meninas pra beijar hoje, sendo que uma delas é pra namorar três meses.
- Tudo bem senhor, mais algum pedido?
- Ah, sim... Me manda também uma dúzia de copinhos plásticos pra café!